Definição

Escoliose é a curvatura lateral da coluna, que geralmente ocorre durante a fase de crescimento da criança e principalmente durante o estirão do crescimento. A escoliose pode ser secundária a doenças como paralisia cerebral , distrofias musculares, mas na maioria dos casos a origem é desconhecida, sendo assim chamada de idiopática.

A maioria dos casos de escoliose são leve, mas em algumas crianças a deformidade na coluna pode se tornar severa e piorar progressivamente durante o crescimento e mesmo apos dele. As deformidades severas podem reduzir o espaço disponível para o pulmão, dificultando que o pulmão tenha função adequada.

Pacientes com escoliose leve devem ser monitorados de perto, geralmente com RX panorâmico seriados, para ver se ha piora da curvatura. Na maioria dos casos nem tratamento é necessário. Algumas crianças necessitam de colete para tentar retardar a progressão da curvatura. Nos casos mais grave pode ser necessário a realização de cirurgia.

Sinais e Sintomas

Ombros desnivelados;
Um ombro mais proeminente;
Tórax desnivelado;
Um quadril mais alto que o outro;
Deformidade na coluna propriamente dita;
Curvas mais graves pode causar dor e dificuldade de respiração.

Quando ir ao Médico

Sempre que os sinais e sintomas citados acima estiverem presentes a melhor atitude é consultar um médico para avaliação. Alguns casos com curvatura leve, não é possível perceber a presença de escoliose

Causas

A maioria dos casos é de origem desconhecida, sendo chamados de escoliose idiopática, porém existem estudos mostrando que alguns casos podem ser de origem familiar.

Porém existem alguns casos tem origem conhecida, porém são os menos comum.

Escoliose Neuromuscular - quando a causa é alguma doença de origem neurológica ou muscular (exemplo: Paralisia Cerebral, Distrofias musculares, Tumores Intramedulares).

Escoliose Congênita - Defeitos de nascimento afetam a formação e segmentação dos ossos da coluna, nesses casos o osso é deformado.

Escoliose Secundária - Secundaria a fraturas, infecções, tumores da coluna.

Fatores de Risco

Idade – os sintomas geralmente se apresentam durante o estirão do crescimento e antes da puberdade (9-14 anos).

Sexo – Escoliose pode estar presente em ambos os sexos porem meninas são acometidas com maior frequência.

Complicações

Enquanto a maioria dos indivíduos com escoliose apresentam a forma leve da doença, e assim não tem nenhuma complicação, indivíduos com a forma grave da doença podem apresentar complicações:

Lesão cardíaca e pulmonar: Na escoliose severa, a caixa torácica pode comprimir o pulmão e coração, tornando a respiração cada vez mais difícil e não permitindo o bombeamento adequado do coração.

Dor lombar crônica: Adultos com escoliose são mais propensos a ter dor lombar crônica.

Estética e Aparência: Com a piora da escoliose, as deformidades no corpo vão se tornando cada vez mais aparente, incluindo:

Ombros desnivelados;
Costelas proeminentes;
Quadril desnivelado;
Pregas glúteas assimétricas;
Tronco lateralizado.

Preparo para a consulta

Antes da consulta, escreva uma lista de fatores que serão ponderados por seu médico:

Descrição completa das alterações corpóreas da criança;
Antecedente de problemas médicos, todas as doenças e dificuldades vividas pelo paciente;
Doenças familiares;
Lista de perguntas para seu médico.

Diagnóstico e Testes

A história clínica e o exame físico são muito importantes nos casos de escoliose.

Na presença de formigamentos e diminuição de força, um exame neurológico completo deve ser realizado.

Exames de Imagem

RX panorâmico da coluna é o exame de escolha e diagnóstico de escoliose, nele a maioria das informações necessárias vão ser fornecidas.

Alguns exames complementares (Ressonância Magnética do Neuroeixo, Tomografia computadorizada da Coluna com reconstrução 3D, Cintilografia Óssea) podem ser solicitados para investigar causas secundárias e escolioses não idiopáticas.

Tratamentos de Medicação

A maioria dos pacientes apresenta escoliose leve e não necessitam de tratamento. Porém crianças com escoliose leve devem ser acompanhadas periodicamente durante todo o crescimento para observarmos a evolução da curvatura.

Nos casos moderados e severos o tratamento é sempre feito de maneira indivídual e sem generalizações. Alguns fatores devem ser prioritariamente observados antes de escolhermos o tratamento:

Sexo – Meninas tem maior risco de progressão do que garotos

Gravidade da curva – Curvas graves tem maior chance de piorar com o tempo.

Tipo de curva – Curvas em S (dupla curva), tem maior probabilidade de piorar, do que curvas em C.

Maturidade – se a criança parou de crescer, a chance de progressão é menor, isso que dizer que coletes são indicados para crianças com esqueleto imaturo.

Colete

Se o esqueleto da criança é imaturo, e a escoliose ainda é considerada moderada, pode ser necessário o uso do colete. Porém quando indicado é preciso estar ciente de que o colete não ira curar a escoliose, e se trata somente de uma técnica para tentar para a progressão da curva.

A maioria dos coletes deve ser usada durante o dia e noite, e sua efetividade esta diretamente relacionada ao número de horas em que ele é usado. Portanto quanto mais for usado melhor e a sua efetividade na prevenção da progressão da curva.

Quando o esqueleto se tornar maduro, o uso do colete é desnecessário.

Existem 2 principais tipos de Colete

Coletes Boston, ou abaixo dos braços, baixo perfil:

Feito de plástico e contorna o corpo do paciente, chamado também de órtese toracolombosacral. Como tem baixo perfil, quase não é notado sobe a roupa.

Esse tipo de colete não pode ser usado em casos com deformidade na coluna torácica alta e cervical.

Milwaukee:

Tem colar no pescoço e apoio no queixo, cabeça e coluna, tem uma baixa aceitação e aderência devido a sua aparência.

Cirurgia

Indicado em casos severos e casos em que a curva é progressiva, para prevenir a progressão da doença e corrigir a curva.

A técnica mais comum de cirurgia para correção da escoliose é a artrodese.

A cirurgia geralmente é indicada nos casos em que o crescimento ja esta finalizado ou finalizando, em pacientes muito jovens e com curvas graves podemos utilizar métodos de fixação provisória, e distrações a cada 6 meses, e que permitem a maturidade do esqueleto, chamados de métodos Growing Rod.

Podem ocorrer complicações na cirurgia de escoliose:

Sangramento;
Infecção;
Dor;
Lesão Neurológica;
Falha na consolidação óssea.

Por isso, recomendamos fortemente, que pacientes interessados em tratamento procurem equipes treinadas no tratamento da escoliose, pois se trata de uma cirurgia de alta complexidade.

Estilo de Vida

Exercícios e esportes em geral, não tratam a doença porem devem ser incentivados para o bem estar da criança e inicio de um habito de vida saudável.

Tratamento Alternativos

Estudos indicam que os tratamentos a seguir são ineficazes para a escoliose:

Quiropraxia;
Estimulação elétrica;
Biofeedback.