Fale conosco pelo WhatsApp

Escoliose

Fotos de cirurgias reais, originais de autoria do Dr. Barsotti.

A escoliose caracteriza-se pelo desvio lateral da coluna, formando uma curvatura anormal que pode afetar tanto a região lombar, torácica ou cervical. Este tipo de desalinhamento afeta cerca de 3% da população mundial, que pode apresentar a alteração em diferentes graus e tipos, e resulta em transtornos tanto de ordem estética como funcional — causando dores e até mesmo comprometendo a função pulmonar.

Embora muitas pessoas acreditem que o problema é resultante de maus hábitos posturais, isso não é necessariamente verdade: em geral, é o desvio característico da escoliose que resulta na má postura do paciente. Isso acontece porque o desvio na coluna provoca alterações no corpo como um todo, e casos mais graves, podem limitar a mobilidade do indivíduo e reduzir o espaço do tórax em que estão os órgãos do sistema respiratório e cardíaco.

Tipos de escoliose

A escoliose é uma deformidade que pode ter diferentes características, origens e prognósticos, evoluindo de maneiras variadas de acordo com seu tipo e região vertebral afetada. A gravidade da alteração pode ser determinada a partir do grau da curvatura apresentada pela coluna, o que também ajudará na definição do tipo de tratamento necessário para garantir qualidade de vida ao paciente.

Levando em consideração o grau de curvatura, a escoliose pode ser classificada entre 5 níveis diferentes. São eles:

  • Até 10 graus: curva fisiológica, geralmente sem necessidade de tratamento;
  • Entre 10 a 20 graus: curva leve, já demandando a necessidade de acompanhamento especializado;
  • De 20 a 40 graus: curva moderada;
  • Mais de 40 a 45 graus: curva moderada a grave.

No que diz respeito às causas da escoliose, a alteração pode ser classificada de acordo com a origem de sua formação. Neste caso, ela pode ser dividida entre:

  • Escoliose congênita: responsável por cerca de 10% dos casos este tipo de escoliose está presente desde o nascimento, e é resultante da ocorrência de má formação ou divisão das vértebras;
  • Escoliose neuromuscular: é causada a partir de sequelas de doenças neurológicas ou musculares;
  • Escoliose idiopática: não possui causas conhecidas e apresenta características e níveis de evolução variados, sendo o tipo mais frequente de escoliose;
  • Escoliose de início precoce: caracteriza-se pelo aparecimento da curvatura em idade precoce, antes dos 10 anos;
  • Escoliose degenerativa do adulto: é causada pela degeneração de discos da coluna vertebral e de suas articulações, sendo resultante do avanço da idade.

Qual a causa da escoliose?

Como foi explicado, a escoliose pode ter diferentes causas e características. A maioria dos casos, porém, é considerada de causas desconhecidas (idiopática), embora fatores genéticos possam influenciar no desenvolvimento da doença. Outras causas da alteração estão relacionadas a doenças como paralisia cerebral e poliomielite, além de má formação congênita e trauma.

Postura inadequada, sedentarismo, obesidade e prática inadequada de exercícios físicos são alguns hábitos que podem favorecer o desenvolvimento da escoliose, embora não sejam fatores decisivos para o aparecimento da curvatura. Com o aumento da expectativa de vida mundial, a tendência é que deformações de ordem degenerativa se tornem mais frequentes.

Diagnóstico: como saber se uma pessoa tem escoliose?

Os principais sinais clínicos da escoliose são visuais, e a curvatura pode ser observada por meio de assimetrias na cintura, diferença de altura dos ombros e arco costal proeminente. Em geral, os primeiros responsáveis por auxiliar no diagnóstico da alteração são os pais ou o próprio paciente, que identificam as assimetrias citadas ou percebem que a coluna parece desviar para um dos lados.

A dor não é considerada um sintoma comum da escoliose, e geralmente se manifesta em casos específicos de adultos que deixaram a deformação progredir com o tempo. Outros sinais clínicos que podem ser observados em quadros de curvatura da coluna e que acendem um alerta para o diagnóstico são:

  • Mamilos em alturas diferentes;
  • Caixa torácica que parece ser maior de um lado, em comparação ao outro;
  • Pernas aparentando ter tamanhos diferentes uma da outra;
  • Escápula pronunciada em apenas um dos lados do corpo;
  • Costelas em alturas diferentes;
  • Desconforto muscular.

Por mais que os sinais visuais apontem para a possibilidade da alteração, o diagnóstico oficial da escoliose deve ser feito por um médico ortopedista especializado em coluna, que faz um exame clínico minucioso e solicita exames de imagem para confirmar a presença do desvio. Em geral, os exames mais solicitados são a radiografia, tomografia computadorizada e ressonância magnética.

A realização da radiografia é essencial mesmo para casos em que é possível perceber a curvatura visualmente, uma vez que possibilita a visualização das reais condições da coluna e grau de inclinação. Este tipo de exame também permite que o especialista identifique lesões que afetam os discos e articulações, bem como visualize possíveis luxações na região.

Como é o tratamento da escoliose?

O tratamento da escoliose é sempre individualizado, e depende diretamente de fatores como a causa do problema, o grau da curvatura, a velocidade com que a deformidade está evoluindo, a idade do paciente e os desconfortos sentidos por ele. A prioridade é sempre oferecer o melhor para o paciente e atender às suas necessidades, respeitando seu corpo e suas características.

Um tratamento conservador é a primeira opção, e tem o objetivo de impedir que o transtorno continue sua evolução, além de aliviar os sintomas e recuperar as funções da coluna. As principais abordagens conservadoras consistem no uso de coletes que ajudam na manutenção da postura, além de fisioterapia e Reeducação Postural Globalizada (RPG), fortalecimento muscular e utilização de órteses ortopédicas.

Essas metodologias podem incluir, ainda, o uso de medicamentos anti-inflamatórios, analgésicos e relaxantes musculares para alívio da dor. A cirurgia para estabilização da coluna é recomendada para pacientes adultos e em casos muito específicos, em que a intervenção é realmente a melhor opção para as necessidades, características e qualidade de vida do paciente.

O método de tratamento mais adequado deve ser definido pelo especialista em coluna com o paciente, sempre respeitando as particularidades do indivíduo. Independentemente da abordagem adotada, o acompanhamento profissional é fundamental para evitar complicações como danos na medula, dificuldades respiratórias e problemas relacionados à autoestima.

Para saber mais sobre escoliose, entender as opções de tratamento e tirar todas as suas dúvidas sobre o assunto, entre em contato e agende uma consulta com ortopedista especialista em coluna Dr. Carlos Barsotti.

Fontes:
Canal Escoliose, Coluna e Saúde – Dr. Carlos Barsotti;
Sociedade Brasileira de Coluna;
Sociedade Brasileira de Reumatologia;
ITC Vertebral.

Escoliose idiopática

Considerada o tipo mais comum de escoliose, representando cerca de 80% dos casos em que a deformidade se manifesta, a escoliose idiopática é caracterizada pelo desvio lateral da coluna sem causa definida. Isso significa que não é possível identificar o fator que levou ao desenvolvimento da curvatura anormal da coluna, embora a hereditariedade seja apontada como um agente significativo.

Leia mais

Fotos de cirurgias reais, originais de autoria do Dr. Barsotti.
Fotos de cirurgias reais, originais de autoria do Dr. Barsotti.

Escoliose congênita

A chamada escoliose congênita é caracterizada pela presença de uma curvatura lateral na coluna que é causada por um defeito existente desde o momento do nascimento do indivíduo. Esta é uma patologia que ocorre em apenas 1 a cada 10 mil recém-nascidos, aproximadamente, sendo que a maioria dessas crianças apresenta também outros problemas de saúde — que afetam especialmente os rins ou a bexiga.

Leia mais

Escoliose de início precoce

A escoliose de início precoce é uma alteração que afeta crianças com idade inferior a 10 anos, e se caracteriza pela presença de uma curvatura lateral na coluna. Existem diferentes fatores que podem contribuir para o desenvolvimento desta alteração, e quanto mais cedo for o diagnóstico da deformidade, maiores são as chances de obter sucesso no tratamento e minimizar as consequências trazidos por este desvio na coluna.

Leia mais

Fotos de cirurgias reais, originais de autoria do Dr. Barsotti.
Fotos de cirurgias reais, originais de autoria do Dr. Barsotti.

Escoliose do adulto

A escoliose do adulto é definida como a curvatura lateral da coluna vertebral em pacientes com idade acima de 18 anos. Esta é uma patologia que pode estar associada à existência de um desvio que não foi devidamente tratado durante a infância e desde então tem se desenvolvido progressivamente. Outra possibilidade é que a deformidade tenha caráter degenerativo, sendo associada ao envelhecimento do organismo.

Leia mais