Fale conosco pelo WhatsAppFale conosco pelo WhatsAppEnvie uma mensagem

Escoliose congênita em bebê: diagnóstico e tratamento

médica examinando criança

Saiba quais sinais os pais devem ficar atentos para saber se seu filho pode ter nascido com essa condição

A escoliose congênita em bebê é caracterizada por um desvio lateral da coluna que ocorre devido à malformação vertebral durante as fases de desenvolvimento embrionário. Ela ocorre por um defeito na anatomia da vértebra.

A escoliose congênita em bebê é uma doença rara, que atinge um a cada 10 mil recém-nascidos, aproximadamente, sendo que a maioria dessas crianças apresenta também outros problemas de saúde, que afetam especialmente os rins ou a bexiga.

Em geral, os primeiros sinais da escoliose congênita em bebê se apresentam nos primeiros dois anos, que é o período em que a coluna vertebral da criança apresenta um crescimento acelerado.

Possíveis causas da escoliose congênita em bebê

escoliose congênita em bebê pode ter diferentes causas, mas sempre está associada a problemas na formação vertebral durante as fases do desenvolvimento embrionário. Ou seja, as malformações estão presentes antes mesmo de a criança nascer.

Tipos de escoliose congênita em bebê

As malformações congênitas da coluna são classificadas em três tipos:

  • Falha de formação: quando parte da vértebra não se desenvolve, o que leva a um desvio lateral progressivo;
  • Falha de segmentação: ocorre quando uma vértebra não se separa completamente da outra durante o desenvolvimento, resultando em duas ou mais vértebras coladas. Como normalmente elas ficam coladas de um lado só, o crescimento vertebral não acontece nesse pedaço, causando a curvatura da coluna;
  • Defeito misto: falhas na formação e na segmentação das vértebras podem levar à escoliose congênita em bebê.

Como a escoliose congênita em bebê se apresenta

A escoliose congênita em bebê pode ser observada por meio das seguintes alterações:

  • Inclinação lateral da cabeça;
  • Desvio na bacia (pelve);
  • Encurtamento aparente dos membros inferiores, devido ao desnível na bacia, principalmente nas curvas lombares;
  • Ombros irregulares e inclinados;
  • Um dos lados do quadril mais alto do que o outro;
  • Em casos raros, a criança pode apresentar fraqueza, dormência ou falta de coordenação.

Na maioria dos casos, a criança com escoliose não sente dor ou qualquer desconforto na coluna, exceto em quadros mais graves.

O diagnóstico da escoliose congênita em bebê deve ser feito por um ortopedista especializado em coluna e é realizado por meio de um exame radiológico panorâmico da coluna vertebral.

Como é o tratamento da escoliose congênita em bebê

O tratamento da escoliose congênita em bebê visa impedir precocemente a piora da curvatura da coluna. Quando a criança apresenta uma curvatura considerada pequena, inicialmente a alteração deve ser apenas monitorada para garantir que o quadro não se agrave com o passar do tempo. Há casos em que as curvas de escoliose podem crescer à medida que a coluna vertebral da criança se desenvolve, fazendo com que a deformidade se torne mais perceptível com o passar dos anos.

O uso de coletes pode ser indicado para tentar fazer com que a coluna se mantenha no lugar, porém, nem sempre os resultados são eficientes no caso de escoliose congênita em bebê. O tratamento pode ainda incluir fisioterapia, uso de gesso e outras terapias individualizadas que têm o objetivo de impedir a acentuação da curvatura.

Nos casos em que a escoliose congênita em bebê se apresenta com curvas muito severas e que foram se acentuando com o passar dos anos, ou para aqueles que estão desenvolvendo um problema neurológico por causa do desvio espinhal — ou, ainda, nos casos em que a deformidade está prejudicando o bem-estar e a qualidade de vida —, a cirurgia é o tratamento mais indicado.

A escolha sobre qual a técnica mais adequada vai depender do grau de curvatura, do tipo de defeito encontrado, da velocidade de progressão e da idade da criança. O procedimento cirúrgico mais comum é a artrodese (fusão) da coluna, feita por meio da colocação de implantes metálicos e enxerto ósseo que auxiliam na correção e na manutenção da coluna na posição adequada.

O diagnóstico e o tratamento precoces da escoliose congênita em bebê são importantes porque, quando a condição não é tratada, a curvatura das vértebras tende a se acentuar.

Fontes:

Manual MSD

Dr. Barsotti

Guia do Bebê